Oficina de Apoiadores Municipais na Região Sul MT

Nos dias 10 e 11 de novembro em Rondonópolis, a equipe de campo composta pelos monitores Valdelírio Venites, Luciele Benin e Claudia Zuanazzi, apoiadoras Maria Célia e Maria Cristina e apoio do motorista Benedito, capacitou 18 profissionais do Escritório Regional de Saúde, Unidade de Saúde da Familia, Núcleo de Apoio à Saúde da Familia (NASF), Casa de Saúde Indígena (CASAI) e residentes em Saúde da Família da UFMT.

Os participantes pertencem aos municípios de Campo Verde, Dom Aquino, Itiquira, Juscimeira, Pedra Preta, Primavera do Leste, Poxoréo, Rondonópolis e São José do Povo, sendo eles: 1 farmacêutico, 10 enfermeiros, 2 psicólogos, 2 administrativos, 1 nutricionista, 1 técnica de enfermagem e 1 bióloga.

No dia 10 a capacitação foi realizada no auditório do Escritório Regional de Saúde com a abertura do evento realizada pela servidora Francília Rodrigues e participação via internet da equipe de tele-educação do Telessaúde MT, que  apresentaram o ambiente de web aula e seu funcionamento.

No dia 11 pela manhã foi realizada a prática no laboratório de informática da UFMT com o apoio do professor Dr. Roger Resmini e, no período da tarde foram elaborados os planos de implementação municipal dos serviços do Telessaúde MT.

A avaliação da capacitação foi muito positiva, conforme observado nos registros de avaliação dos profissionais:

“Esclarecimento de dúvidas em um curto espaço de tempo, considerando as dificuldades que tenho pela pouca experiência na atenção primária”.

“Melhoria na eficiência do atendimento ao usuário, agilidade na resolução dos problemas apresentados à toda equipe de saúde. Busca de conhecimento para todos os profissionais e também divulgação das nossas necessidades e conquistas dentro da Unidade de Atenção Primária”.

“Agilidade no processo de trabalho e melhora na qualidade da assistência prestada ao usuário”.

“Como passamos por momentos de crises financeiras, poderemos continuar sendo resolutivos em relação aos encaminhamentos aos médicos especialistas sem onerar os cofres públicos”.