Artigo do Telessaúde MT publicado na Revista Latinoamericana de Telesalud

    Foi publicado na Revista Latinoamericana de Telesalud (Latin American Journal of Telehealth) Volume 3, Número 01 de 2016, o artigo intitulado “Implantação do Telessaúde Mato Grosso: da superação das dificuldades iniciais às necessidades de educação permanente dos profissionais da Atenção Primária à Saúde”, de autoria da equipe do Telessaúde MT.

    A Revista é uma publicação da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais, Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte e Laboratório de Excelência e Inovação em Telessaúde.

    O artigo relata o processo de implantação do Telessaúde no estado de Mato Grosso e a maneira como foram superadas as dificuldades iniciais, por meio da articulação e integração entre instituições de ensino e serviço de saúde. O texto descreve como o programa está estruturado e apresenta detalhes sobre as atividades do Núcleo Telessaúde-MT, sua equipe, serviços oferecidos, com ênfase para a teleconsultoria, telediagnóstico e tele-educação.

    Os resultados positivos são evidenciados pela avaliação de satisfação dos profissionais da Atenção Primária à saúde dos municípios e pela sua adesão e participação nas atividades do Núcleo.  

    O Telessaúde-MT efetivou, de fato, a sua implantação no ano de 2015, indo de encontro às necessidades de educação permanente dos profissionais da Atenção Primária, com destaque para a importância da parceria harmônica entre as instituições públicas responsáveis pelo serviço de atenção à saúde e pelo ensino profissional na área de saúde de Mato Grosso.

    Ainda há muito a ser feito para consolidar o programa, como por exemplo ampliar a equipe e a estrutura do Núcleo, garantir a sua sustentabilidade financeira, aumentar a adesão dos profissionais, integrar o telessaúde aos processos regulatórios, e ampliar a oferta de tele-educação e telediagnóstico.

   Destaca-se no caminho percorrido, a importância da integração entre a Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso, o Hospital Universitário Júlio Muller e a Universidade Federal de Mato Grosso, sem a qual não teria sido possível superar os obstáculos de conjuntura existentes desde a elaboração do projeto inicial até o efetivo funcionamento do telessaúde em Mato Grosso.

     O artigo pode ser acessado por meio do link: http://cetes.medicina.ufmg.br/revista/index.php/rlat